Só No Blog Mesmo

2

Loas à prisão de Cunha

cunha-preso

         Não faço coro com a meninada saltitante cantando loas à prisão de Eduardo Cunha. O xilindró do “homem mais poderoso” da república do Planalto Central, até então, estava mais que prevista, cristão nenhum, em sã consciência esperaria que o Moro prendesse o coelhinho da páscoa ou Papai Noel antes dele, portanto, nada de extraordinário.

         Entretanto, o Cunhinha, pode e deve contribuir com esta Pátria Mãe gentil, fazendo delação premiada, sendo ele a “caixa preta” do Plano Piloto terá muito a revelar, claro, se o fizer não será por um surto de bondade ou patriótico, mas certamente por pura vingança, que seja. O importante é que suas revelações sejam verdadeiras e possam levar mais uma horda a ver o sol nascer quadrado.

       Por outro lado, precisamos ficar atentos e vigilantes e cobrando atitudes dos promotores da Lava Jato sobre qualquer ameaça a sua paralização, porque isto, certamente já há sinais que pode está ocorrendo, haja vista o acontecido, logo após a delação de Sérgio Machado, colocando no mesmo balaio de propinas, 28 políticos, que hoje integram oito partidos – PMDB, PT, PP, PC DO B, DEM, PSDB, PDT e PSB, inclusive o presidente do Senado, Renan Calheiros e o Presidente da República michel temer, a reação foi imediata ventilou-se um movimento para um projeto que pudesse limitar a atuação do Ministério Público Federal.

       Acendi 12 dúzias de velas de sete dias a todos os santos e entidades do mundo mais elevado, rogando a deleção do bandido Cunha.

Maldade

         O governo do anão, retirou os subsídios do programa Luz Para Todos, que tem sua grande demanda de pobres no interior rural do nordeste, para poder baixar a luz no centro-oeste, sul e sudeste. Dá-lhe golpista.

Merda

         Ontem recebi um elogio que me deixou envaidecido. Um adorador do senador José Agripino Maia, presidente nacional do DEM, decidiu me acariciar com uma delicadeza, característica própria dos que gostam de um bom e frutífero diálogo político, o democrata cravou-me de “jornalista de merda”, que eu era um petralha revoltado porque meu jornal perdera a “boquinha” com a queda de Dilma. Confesso que não ri para não estragar a fúria do rapazote e para não deixa-lo frustrado, omiti que sou jornalista, apenas por força do ofício, pois sou cartunista, nunca possui jornal e também as pessoas mais próximas do PT que mantenho relacionamento é por fotos de jornais ou internet.
Ainda assim, obrigado pelo ”jornalista de merda”, uma agressão vindo de quem veio deixou-me substancialmente lisonjeado, me sentiria triste e envergonhado se fosse diferente.

Dentadura

       Deixando a merda de lado. Na cidade de Mossoró há um movimento para fechar e um outro para permanecer aberto o Hospital da Mulher, um vergonhoso outro digno de elogios e ambos seriam desnecessários se os políticos levassem a sério os interesses do povo e não somente olhassem para seus próprios umbigos ou bocarras como fez o senador José Agripino(DEM), num tempo não tão, tão distante assim, torrou R$ 55 mil reais com sua dentadura de porcelana, para poder exibir seus dentes branquinhos, branquinhos, branquinhos.

Crise

       A crise imputada ao país tem nome e sobrenome: PT e PSDB. – não vou entrar no mérito-, mas que o Governo Robinson Faria é mais fraco que caldo de batatas é quase uma unanimidade.
Passaram-se 2 anos e o governo não sinalizou um movimento capaz de entendermos competente. A incompetência instalada.

2

Agonia do elefante

oligarquias-rn

         Primeiramente, FORA temer! O Brasil ainda levará algumas centenas de anos para se colocar perante ao mundo como uma nação credenciada à liderança da América Latina e porque não o mundo. Os mais otimistas empenham suas crenças em um Brasil gigante, se levantando igual aquele comercial, em uma potência econômica e política no cenário mundial. Porém, creio que ele ainda continua se debatendo na fase acuda do “O Brasil não é um país sério” dita pelo presidente francês Charles de Gaulle.

       Temos uma classe política completamente descompromissada com o país e seu povo, oligarquias praticando a velha e surrada política do quanto pior melhor, eleitos que já no segundo ano de administração se voltam às próximas eleições, esquecendo por completo o porquê foram eleitos. Por outro, lado uma imprensa esquecida do seu ofício e enterrada até o pescoço na escrita bajulatória ou difamatória quando lhe é conveniente, sim, perniciosa sim senhor! Boa parte da grande imprensa brasileira pertence a políticos, prática vedada pela Constituição, porém, todos são cientes desta infração, mas ninguém os importunam, nem o povo nem o Ministério Público (havia uma investigação da AGU – Advocacia Geral da União, suspensa a pedido do Presidente michel temer). Quando ligados a clãs políticos, quase toda totalidade dos veículos de comunicação se comportam como agremiações partidárias, uma deformação.

       O velho e danoso espírito de porco que habita a classe política também impregna e tem em nosso estado morada garantida. O PMDB potiguar, desde FHC esteve no poder, agora, perguntaria qual retorno? – não vale a vaidade do incautos ex-Ministros -, Qual a grande obra? Qual o projeto de envergadura econômica? O DEM, vestido pelo senador José Agripino é outra nulidade. Ah! O PT também caiu na vala comum. Além, dos IFs, que mais ganhamos de durabilidade? Enquanto exercitarmos a política, tacanha, rasteira e cotó continuaremos um estado paupérrimo alimentando três oligarquias que só pensam em permanecer no poder para manter à parentada empregada, amigos e correligionários.

Crise

       As finanças do Estado estão em frangalhos, é possível, que  a oposição a estas alturas, lá para os lados de Tibau (do sul e do norte), Jacumã, e outras praias badaladas desta miserável terra potiguar, nos alpendres em finais de semanas, o perrengue de Robinson seja o petisco para acompanhar um bom malte escocês e, isto, claro, seguidos de boas galhofadas.

Crise II

     É chegada a hora dessa gente se despir da hipocrisia e fazer algo, de fato, que nunca fizeram, que é trabalhar pelo povo. O Rio Grande do Norte clama uma ato de lucidez de sua classe política transformada em união de todos, sem matizes partidárias, para pressionar o Governo Central a um socorro financeiro, caso contrário estaremos a testemunhar à volta ao passado, aos anos 80, quando multidões de retirantes famintos invadiam cidades em busca de comida, diferente, apenas que desta feita serão funcionários públicos, e credores dos estado invadindo hipermercados para manterem o básico para suas famílias. Uma vergonha!

Coisa

         Por falar em coisa ruim, o anão temer, segue célere abrindo seu baú de maldades contra o povo mais humilde. Anunciou redução dos preços dos combustíveis enganando muitos desavisados que esperavam um alívio no bolso, ledo engano, a tal baixa de preços não chegou na bomba.

Canalhas, canalhas, canalhas!!!

 

1

Adeus querido!

olho

           Hoje, poderia ter amanhecido mais alegre, sentindo-me em Shangri-La, afinal, vou tentar eleger meu candidato a prefeito e o representante ao legislativo municipal, um velho conhecido aqui, do bairro, com uma sede de justiça social e vê na política o caminho para uma sociedade mais justa e igualitária. Eloquente, direto, fala o quê é preciso ser falado, sereno tal qual Francisco Cândido e um bisaco esborrotando de boas intenções. Já disseram “Esse aí não serve para político” ou “Esse era quem devia ser o candidato a prefeito”, e, pelo percebido, as duas opiniões estão corretas.

         Certamente este alvorecer, deveria romper a barra do horizonte anunciando boas novas, como naqueles dias em que um locutor de FM, persistindo imitar o gasguito Galvão Bueno, diria em alto e bom som que este 2 de outubro seria “um dia cívico, festa da democracia”, encorajando-me a bater o mofo daquela camiseta que visto há cerca de 12 anos, cujo o único objetivo é dizer a todos de quem será meu voto, porém, como diria o saudoso Maluco Beleza, acho isso uma piada um tanto quanto perigosa. Meus sentidos estão em queda livre, creio ter catapultado em um salto quântico projetando minha consciência um mês à frente, permanecendo nesta dimensão somente a frágil parte corpórea sem um naco de energia e, nem o ouvir generoso e suave do falar de Socorro com suas flores, as vozes dos netos me fizeram sair deste estado de pantanosa tristeza, já coloquei na vitrola aquela velha canção de rock’n’roll, ainda assim, prossigo olhando para o chão, seguir caminhando e cantando falta-me ânimo, de fato, estou mais para chorar meus mortos.

         Um amigo, de direita, repeti-me insistentemente na rede social, uma frase nova que aprendeu com um igual: “o choro é livre”. De certo, eu diria “que triste é o sorriso dos ignorantes,” mas, me abstenho da peleja, hoje não seria um bom adversário e poderia trair-me, caindo na fácil discursão estéril. Claro, que é ela não morreu, entretanto, sofreu um GOLPE profundo e mantém-se bastante enferma na UTI. Sim, isso não é fazer drama não, só os bravos que lutam por um mundo melhor sabem o quê digo. Agora, quem me garante a permanência de meus eleitos no poder pelos próximos 4 anos? E, se um “anjo de asa cortada” não gostar deles e resolver impedi-los? E, se imputá-los a responsabilidade pela “Grande Depressão de 1929” e provar através de delação premiada do cego e mudo que esmola, aqui na esquina? Quem me garante o valor do meu voto ser respeitado? Por favor, não me fale do beiçola…aquele ali, só garante votos do, do, do…Ah! Você sabe.

       Sem saída, arrasto-me à minha zona, onde tenho um encontro inadiável com ela, majestosa, linda e jovem democracia. Ainda assim, caminho como quem segue um cortejo fúnebre ou como um touro ao matadouro. Durante os últimos 100 metros que antecedem minha digital daquela maquininha, lembrei-me que a luta ainda está por vir. Contemplar aquela imensa fila de pessoas, que apostam seus sonhos na democracia, é um bálsamo para os olhos e alma, revigorado digito.

         Adeus meu querido voto! Boa sorte, que os deuses da democracia o proteja.

         Fora temer!

 

1

Kandapara

best-friend

           O cantor e compositor Cazuza, nos deixou uma acervo musical extraordinário, mesmo seus críticos mais ferrenhos admitem a qualidade de suas letras e composições de pura poesia, de um inconformismo latente, que de certa forma ajudou ao jovem a se perguntar e questionar outrem também, abrindo um leque de possibilidades. De suas músicas emblemáticas a maior delas é Ideologia, principalmente na frase onde fica bem explícita uma espécie de busca: “Ideologia, eu quero uma para viver”. O filósofo francês, Destutt de Tracy, dizia que ideologia eram as percepções do mundo externo, logo Max determinou ser uma consciência social que integra o poder econômico da classe dominante: ideologia burguesa, pertencente ao capital e a ideologia proletária, quando adesivada à classe operária.

         Mas, não importa sua cor ideológica preferida, determinada pela conjunção de Júpiter com Netuno, na quinta casa oblíqua da lua em quarto minguante. O certo é que você precisa de uma ideologia para viver, ou não? Há algum tempo sim, pelo menos foi assim para os partidos políticos, que nos vendiam ideais socialistas, sociais democratas, capitalistas e alguns deles, com argumentos bem fundamentados. Porém, a barra ainda nem quebrava no horizonte, após a longa noite de terror e os partidos já vislumbravam a aurora se erguendo oferecendo-lhes os braços da democracia, e engatinhando, correram à luz numa voracidade, como em uma prova de 100 metros rasos de fazer inveja ao Usain Bolt, expuseram quão frágil eram os discursos ideológicos, permitindo aos surdos ouviram o ranger das mandíbulas dos cupins roendo seus alicerces.

         Sabemos todos, o terreno da política às vezes se torna pantanoso e fétido, mas…Depois de tudo, além de tudo que já vimos desde 2014, o PT e PMDB estão de mãos dadas em 1971 municípios, em 146 coligações lideradas pelo PSDB e tucanos formaram chapa com candidatos do PT em 60 cidades, sem falar do DEM e outros “inimigos golpistas”. Sei que vocês vão dizer que é tudo por causa da dinâmica política, da conjuntura regional, sei…Tô sabendo.

       Segundo meu amigo Delegado(porteiro e filósofo), a política partidária brasileira é um verdadeiro Kandapara, eita!

Brito – Cartunista.

0

Limonada

limonada

         Eu sou mesmo um sujeito sem graça. Tenho poucos vícios e manias, todos irrelevantes, sem o mínimo de importância, tanto, se os guardá-los no fundo do abismo do bisaco poucos perceberiam, inclusive eu. Uma psicóloga amiga minha, diz que eu seria um desastre esticado em um divã, segundo ela sou bastante equilibrado, tenho uma visão de mundo bastante realista um pouco utópica quando se refere as relações sociais humanas entre pobre e rico, capital e trabalho, mas, quando se trata de mim, comigo mesmo, sou bem resolvido, e, portanto, ainda segundo ela, sou sem graça e fora dos parâmetros atuais do ponto de vista psicossocial, porque um grande contingente de pessoas têm problemas que exigem passagens pelos consultórios dos discípulos de Freud mundo afora.

         “Você, eu não levaria ao meu divã”, disse-me ela outro dia, preferindo longas horas de miolo-de-quartinha no meu escritório, regadas a generosas xícaras de café. De fato, não consigo fazer uma tempestade em copo d’água – Talvez por falta de imaginação -. Certa vez, quis colocar na minha pochete um traumazinho para chamar de meu. Debulhei um rosário de motivos, que certamente se eu soubesse potencializá-los da forma correta, poderiam se transformar em algo bem neurótico que provavelmente carregaria pendurado no pescoço em um trancelim como um pingente. Dentre a montanha de razões elegi três: a pobreza, feiura e altura física.

         A pobreza: essa logo descartei. Você não estar pobre, você é pobre, não importa quanto dinheiro tenha, vintém, por se só, não o fará rico, não lhe confere mais conexões neurais.

         A feiura: apostei no conto  La Belle et la Bête, de Gabrielle-Suzanne Barbot de Villeneuve, que resumidamente se torna no nosso “Quem ama o feio bonito lhe parece”. Risquei do caderno.

        A altura: Restou-me meus 1.60cm, quando me preparava, enfim, para ter meu próprio trauma, conheci Thurbay Rodrigues, no jornal Gazeta do Oeste, isto lá nos anos 80, que pôs uma pá de cal nas minhas pretensões traumáticas. Todas às vezes que me via aborrecido querendo bancar o “galo cego”, dizia: “Se esse baixinho tivesse meu biótipo”, isto poderia catapultar minhas intenções, mas que nada, deu um revertério, não vingou, tive que abrir mão da empreitada. Nunca mais, traumas me atraíram, nem o do Bebeto Braga, como diz o Caby da Costa Lima.

       Por isso, como diz meu amigo Delegado (porteiro e filósofo): se a vida está azeda, faça uma limonada.

Brito – Cartunista

 

0

Errado é errado e certo é certo

temer-vampiro

       Amigo, Brito. Desculpe-me intrometer, mas é apenas para contribuir. Nomes próprios sempre começam com letras maiúsculas, exemplo: Paulo, Roberto, Natal, Mossoró…O amigo vem cometendo esse erro seguidas vezes, quando se refere ao nosso Presidente do Brasil, Michel Temer. Acredito ser apenas um descuido.

– Não amigo, não foi descuido, embora não pareça sou um tanto quanto cuidadoso com o quê escrevo. Para mim, temer se escreve assim mesmo.

– Não, não, você está equivocado, Temer é nome próprio, a primeira letra, o “T”, tem que ser maiúscula.

– Esse temer não.

– Esse Temer sim.

– Okay, de qualquer forma obrigado pelo alertar. Mas, vou seguir grifando com minúscula, temer Golpista.

– Está errado. O “T” de temer é maiúsculo e “g” de golpista é minúsculo.

– Certo ou errado depende da perspectiva que olhamos.

– De jeito nenhum. Errado é errado e certo é certo.

– Não creio que terei que desenhar para você entender.

– Agora, você está me destratando. Eu fiz filosofia, jornalismo e mais três anos de direito. Só quis adverti-lo de um erro primário. Passe bem!

– Calma, homi! Não precisamos brigar por causa de um “têzinho” sem importância.

– Sem importância? Eu estudei muito para saber que é importante.

Por outro lado, eu não completei o Mobral e, se meu desenho pode lhe ferir os olhos e, o “Têzão” lhe é tão caro – eu prefiro Tesão-, então vou escrever para ficar mais claro: Exaro o nome desse sujeito caviloso com letra minúsculo porque para mim, ele não é substantivo, no máximo um coletivo tipo horda, bando, corja ou então adjetivos, para não ser indelicado, assim como traidor, imoral, golpista…Portanto, continuarei a tatuar michel temer.

– Ah! Me diga isto. Por que não disse logo que tinha um conteúdo político por trás disto?

– Eu tentei!

– Tentou não.

– Tentei!

– Tentou não!

– Tentei…

– Não t…

– Da próxima desenho…

– Ora, seu @#$%^&*…

0

Saudade a gente não explica

ilustracao-jornal

         Sexta-feira(2), assistindo o State Of Play, fiquei um pouco saudosista, sem falar que antes, tinha recebido a visita do amigo jornalista Beto Cavalcante, que nos anos 80 estagiou no jornal Gazeta do Oeste. Falamos do impeachment sofrido por Dilma, levantamos várias teses em nome do golpe, pulsemos culpa na cisão das esquerdas – se é que já foram unidas um dia -, no PSDB, no povo, no PT e devo confessar: se demorássemos uns poucos segundos mais, teríamos tomado de assalto as prerrogativas do Senado, em veredicto final e definitivo. Pasmem, nem água tomamos.

         Olhe que o assunto não era nem o prato principal, o impeachment e as nuances que o envolve foi apenas a entrada. Geralmente todas as vezes que encontramos, trocamos três ou quatro palavras e vamos direto ao assunto. Mas, em virtude do momento político vivido seria impossível não deixar nossas impressões e conclusões(decisivas) sobre o caso: Para depois degustarmos o de sempre, mais nem por isso menos prazeroso: jornal.

         De um só fôlego, pegamos a via expressa mais próxima, o “Túnel do Tempo”, –  Não me pergunte quem de nós dois incorporou o Robert Colbert, como Doug Phillips, e James Darren, como Tony Newman -, o certo é freamos nos anos 80, no jornal Gazeta do Oeste, O Mossoroense nos quais vivemos muitas histórias.

         De volta ao futuro, deito preparado para me entregar aos braços de Morfeu, numa reconfortante e hidratante sesta, dou algumas investidas no controle deparo-me com o State of Play, filme em que Russel Crowe faz um repórter e Ben Affleck um deputado. Neste momento Morfeu pulou a janela, a sesta pus debaixo da cama para usar depois. Olhei para Socorro e disse:

-Socorro, acredita que estou sentindo aquele cheiro de tintas e gasolina que vinha lá das oficinas do jornal?

– Não! E se você insistir, falo com Dr. Milton Marques e peço para lhe internar compulsoriamente no São Camilo.

Virou de costas, pegou minha sesta e chamou de volta o deus do sono e se aconchegou.

Calei-me. Agora, que eu senti o cheiro, eu senti! Saudade a gente não explica.

Obrigado pela visita amigo.

Brito

 

0

Não houve crime de responsabilidade

temer-golpista

       Rei morto, rei posto, é assim que muitos entendem o momento vivido pelo Brasil, riscando o passado elevando o novo rei (nanico, é verdade) ao posto de salvador da pátria e demonizando o anterior, erro crasso de interpretação da história ou pura cegueira seletiva. Por outro lado, não se pode levar a ferro e a fogo e se apegar ao quanto pior melhor, do “olho por olho”. Correndo o risco de assim proceder, ficar todos caolhos ou cegos. Porém é preciso lutar, sim senhor, é preciso denunciar o golpe, como de fato o foi, reconhecido pelo senador Acir Gurgacz (PDT) de Rondônia, de que não houve crime, mas Dilma teria sido cassada ao arrepio da lei, porque perdera sua base de sustentação no Congresso e o desempenho fraco da economia. Então temer não pode pedir que ninguém denomine o fato de golpe: É golpe, golpe, golpe sim, dito por seus colaboradores. Agora, a luta deve ser dentro da legalidade, nas câmaras de vereadores, nas assembleias legislativas, nas prefeituras, nos governos estaduais na Câmara Federal, Senado e juntos aos movimento sociais denunciando e criando ambiente para que os direitos dos trabalhadores sejam preservados.

         Entretanto, engrossar o cordão dos que apostam e querem um governo de “terra arrasada”, de um governo que irá esmagar os ganhos dos trabalhadores, das classes menos favorecidas, dos negros, dos povos indigenas, das mulheres, GLBT e vários outros movimento sociais e, em nome deles desenhar horizontes sombrios, não irá favorecer o país.

Primeira maldade

         O michel, ontem mesmo, acenou para a classe média e empresários, afirmando que não teria aumento de impostos ao mesmo tempo enviava ao Congresso o Orçamento da União, onde se encontra lei que prever o aumento do Salário Mínimo, que terá apenas a reposição da inflação. Viva o temer.

PT

Enquanto isso, vários petistas Brasil a fora tiram de suas peças publicitárias a logo do Partido dos Trabalhadores. Covardes, covardes, covardes.

Aécio

O neto do grande Tancredo Neves é mesmo um boyzinho mimando. Não aceita perder e muito menos ser contrariado, esbugalha os olhos, as narinas se alargando, a baba escorre no canto da boca e vocifera desequilibradamente. As últimas vítimas foram os pmdbistas que votaram a favor Dilma, para que ela não perdesse seus direitos políticos.

Puxão

Depois dos pmdebistas deixaram Dilma apta a usar seus diretos políticos, o Aécio Neves(PSDB) deu o primeiro puxão de orelha no temer. Esse casamento terá separação amigável, litigiosa sem dúvidas.

Um celular na mão

Alheio ao assunto impeachment o candidato a prefeito da cidade do Natal, o deputado Kelps Lima, segue sua jornada e inovada campanha, usando um celular na mão a procura de Pókemon, quer dizer, eleitores.

Violência

Aqui na terra de Poti, continua tudo com antes: a violência desafia o fraco Robson Faria.

Para não esquecer: golpista!

 

0

O dia que o Brasil sangrou

temer-brasil

Natal/RN, 31 de agosto de 2016

Aos meus netos.

         Meus queridos e amados netos, hoje, 31 de agosto de 2016, a democracia brasileira, as classes menos favorecidas, aposentados e trabalhadores sofreram um duro atentado, neste dia o Brasil sangrou: Dilma Rouseff, a Presidente eleita Brasil, em 2014, por 54 milhões de votos foi destituída do seu cargo por um golpe parlamentar. Sem baionetas, canhões e sem fuzis, mas, um golpe, um golpe branco tão certeiro e danoso quanto o golpe militar.

         Para entender melhor é preciso voltar a 2014. Logo após os resultados das urnas o mau perdedor Aécio Neves (PSDB), – candidato derrotado por Dilma, não aceitou o resultado das urnas, colocou em xeque a segurança das urnas eletrônicas pedindo uma auditoria do TSE – Tribunal Superior Eleitoral, para saber se as urnas foram violadas, não constatou-se fraudes, depois o PSDB protocolou em 18 de dezembro de 2014 no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedido para cassar o registro de candidatura da presidente Dilma Rousseff e determinar que o senador Aécio Neves (PSDB-MG), que ficou em segundo lugar nas eleições, assuma a Presidência da República. Também rejeitada a proposta.

         Paralelo, estava em curso a Operação Lava Jato fazendo uma devassa na classe política brasileira mostrando os sepulcros caiados, onde “probos” homens públicos de todos os partidos estavam envolvidos em corrupção ativa e passiva dilapidando o patrimônio público, especificamente a Petrobras. A corrupção na Petrobras, transformou-se o campo de batalha preferido para opositores e defensores do governo Dilma, com acusações recíprocas e ambos os lados tatuando ao outro mais ladrões e mais propinas recebidas, portanto, mais culpabilidade. Até, então os mais atingidos eram os chamados “baixo clero”, isto é, políticos de menor importância, sem expressão e sem influência.

         Entretanto, logo a Lava Jato tinha se tornado uma pedra no sapato do PT, partido da presidenta – ah, existe presidenta, viu?-, ao ponto pedirem, veladamente, a cabeça do então Ministro da Justiça, Eduardo Cardozo, fato que a fez declarar que não ficaria pedra sobre pedra, mas não haveria interferência dela para tolher as investigações.

       Quanto mais se avançava nas investigações mais se prendia mais se via todos no mesmo balaio. Inclusive o próprio senhor Aécio Neves acusado de receber de U$ 100 mil a U$ 150 mil por mês, de propinas vinda de Furnas, uma gravação do senhor Sérgio Machado dizia ter repassado R$ 100 milhões ao PMDB, envolvendo o presidente do Senado, senador Renan Calheiros, deputado Eduardo Cunha, presidente da Câmara, senador Romero Jucá e ao ex-presidente José Sarney, gerando pedido de prisão dos 4, pelo Procurador Geral da União, Rodrigo Janot, solicitação indeferida pelo STF – Superior Tribunal Federal – Esta gravação impulsionou a celeridade do impeachment da Presidenta Dilma – .

       O alerta dado, sinalizando que a Lava Jato poderia pegar todos os envolvidos de calças curtas, o impeachment tomava corpo. O presidente da Câmara se via as portas de ter um pedido de cassação ser admitido, procurou deputados do PT para salvar-guardá-lo, com recusa decidiu aceitar a abertura de admissibilidade do processo de impeachment subscrito por Hélio Bicudo (ex-petista), Miguel Reale Junior(PSDB) e Janaina Paschoal, contratada pelo PSDB: “Eu fui contratada pelo PSDB em maio. Nós propusemos o processo em setembro. Recebi R$ 45 mil para fazer o parecer”, disse, depois de ser confrontada pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/AM). Antes, Paschoal afirmava que o pedido havia sido feito com base nas reivindicações de “cidadãos indignados”.

         Palco montado à encenação da Ópera Bufa. O processo levou penosos 9 meses para os país, com sua situação econômico e política fragilizadas e para o povo. Tramitou na Câmara, cumprindo todo rito imposto pela Lei e para golpe final chegou ao Senado Federal, presidido pelo Presidente do Supremo Tribunal Federal, o Ministro Ricardo Lewandowski, onde 35 senadores com problemas judiciais, inclusivos citados na Operação Lava Jato, de receber propinas, iriam atuar como juízes julgadores do impeachment da presidente por Crime de Responsabilidade por ter editado 3 Decretos de Suplementação Orçamentária, sem a autorização do parlamento e as chamadas “pedaladas fiscais”, contratação de empréstimos a bancos federais, todas as ações anteriormente feitas por todos os presidentes que a antecederam. Feito.

         O processo de impeachment foi a chance de colocar na presidência um fantoche do PMDB, PSDB e DEM, capaz de obedecer, sem questionar, todos os malfeitores e os livrando da cadeia.

         Neste dia, poderíamos estar escrevendo a história oferecendo outro caminho a ser seguido. Meus queridos e amados netos, alguns dos fatos aqui relatados são históricos outros são impressões de um senhor de 57 anos que ainda sonha com uma sociedade mais justa, mais tolerante e mais humana, aonde todos possam conviver em paz e com dignidade.

Peço-lhes que lutem por país melhor, pelo os mais humildes.

Brito,

0

Calhordice

ministro-da-saude-mendoca-filho

         O governo corrupto e Golpista de michel temer, abre sua caixa de ferramentas afiadas de maldades. Não bastasse o ataque feroz aos alunos brasileiros podando-lhes o direito de estudarem em outros países, ampliando o corte do Ciência Sem Fronteiras, no FIES e verbas para pesquisas em universidades federais, agora se volta contra seus pais, o trabalhador.

       Mais um ato com requintes de fina crueldade, da mente doentia do presidente interino e golpistas temer, que autoriza o mendocinha, quer dizer o Ministro da Saúde mendonça filho, elaborar um plano de saúde popular para pessoas de baixa renda. Esta iniciativa é um claro sinal de que os SUS pode estar com os dias contados, em fase terminal. Definhando e cambaleando já vem há tempos, este projeto será o tiro de misericórdia no combalido Serviço Único de Saúde, criado para atender os mais carentes.

       Uma atrocidade de tamanha magnitude gigantesco desfavorável ao povo, já humilhado todos os dias e noites em filas, para tirar uma ficha esperando ser atendido 2 ou 3 meses, até esse pequeno fio de esperança este governo pequeno, mesquinho está lhe tirando. Os milhões de miseráveis que perambulam pelos postos de saúde estão entregues a própria sorte, vítimas de quem deveria cuidar, lhes oferecendo o básico constitucionalmente, do outro lado, são alvos da ganância de empresários inescrupulosos da área da saúde.

       Quem danado que ganha um Salário Mínimo poderá pagar um plano de saúde, por mais barato que seja? Calhordice!

Calhordas

Por fala nisso, calhordice do PT – mesmo que tiremos todas as mentiras, tramas e baixarias dos intramuros da oposição-, o partido não poderia se nivelar ao patamar amebiano do PMDB, PSDB e DEM. Calhordice de todos que se envolveram arrastando o partido junto. Calhordice, sim senhor!

Boxe

No domingo passado, último dia de competições olímpicas, em Mossoró o auditório da Apasmo – Associação do Panificadores de Mossoró quase vira um ringue de vale tudo, entre a ex-governadora Rosalba Ciarlini e o prefeito Silveira Júnior. Foram desaforos de ambos os lados minimizando e apequenando o encontro, que tinha como objetivo ouvir dos 5 candidatos a prefeito de Mossoró o quê eles teriam de projetos para o setor, afinal os padeiros empregam pouco mais de 10 mil pessoas e, portanto, um contingente que merece um pouco mais de atenção do futuro inquilino do Palácio da Resistência.

Violência

Se não fosse trágico seria cômico. No anuncio da saída da Força Nacional de Segurança das ruas do Estado do Rio Grande do Norte, acontece mais uma fuga em massa de 32 presos do Pereirão, em Caicó. Robinson perdeu!

Fim

A olimpíada terminou. Dura realidade à vista!

Canalhice

Canalhas, canalhas, canalhas!!!

Frase

“Uma prefeitura(Natal/RN) absolutamente medíocre. Não realizou nenhuma obra importante para a cidade e ás vésperas da eleição realiza um trabalho de saneamento que não é colocado em suas origens.” Juliano Siqueira, presidente municipal do Partido dos Trabalhadores (PT)

 

0

Quero um candidato pra chamar de meu

procura-candidato

        Meu candidato é com um prazer imenso que dirijo-me a você, trago comigo a certeza que este esperançoso encontro, nos será de utilidade ímpar. Devo confessar que já fui mais desleixado, não ansiava tanto com essa data de quatro em quatro anos, acreditava que, mesmo que eu não quisesse, esse dia nasceria, a não ser se houvesse um Golpe de Estado – que o micha temer não nos escute-. Hoje, mal podia esperar. Porém, é certo que fiquei ainda menos exigente.

       Estou menos exigente, não mais negligente. Gosto deste sorriso no rosto do senhor, isto nos passa uma percepção de confiabilidade, mas não é isso que quero, percepção. Procuro algo mais simples, algo que meu velho pai me ensinou, apesar de seu pouco conhecimento dos livros, aquela palavra me foi, me é e a mim, será de grande valia. Aos meus filhos tentei impregná-los dela, resultando em homens, mulheres e seres humanos melhores. Talvez tenha pecado em relação aos meus candidatos, não apliquei bem, alguns acertei de “prima”, outros mais ou menos e outra porção não vale a pena nem tocar no assunto, foi um desastre total. Claro, a culpa foi toda minha.

        Agora, nesta eleição e por isso mesmo, o de não querer cometer erros, resolvi antecipar nosso encontro ao invés de esperar sentado você me procurar, garanto-lhe que não vou abusar de sua paciência, até dispenso todos os seus penduricalhos publicitários, inclusive santinhos, projetos e plataforma política, afinal, você precisa passar sebo nas canelas e correr atrás de votos, – o quê não está nada fácil: muito eleitores acreditam que todos os políticos são iguais, isto é, corruptos. Erro crasso -, sei que o meu sufrágio é apenas um, por outro lado talvez seja aquele que pode torná-lo eleito ou não. Então vamos ao que nos interessa, vamos juntar o útil ao agradável, a fome com a vontade de comer. Você está procurando voto? Acabou de encontrar um, o meu. Tenho algumas exigências, aliás, apenas uma tatuada em mim, por meu pai, umazinha, pixoxotinha: Honestidade! Se você se enquadra,  já tem um voto pra chamar de seu.

       Porém, não é honestidade, é HONESTIDADE, não só com “H” maiúsculo, mas, também o “O”, “N”, “E”, “S”, “T”, “I”, “D”, “A”, entendeu ou quer que eu desenhe? Se não se encaixa, não perca seu precioso tempo comigo, passe reto.

 

0

Sou invejoso sim!

 

 

caminharpng

A idade nos permite certas prerrogativas, uma delas é sermos mais verdadeiros com nós mesmos e a capacidade de admitir e confessar nossas faltas, erros, sem subterfúgios, sem tangenciar, a gente diz ali, na lata.

Devo carregar nos costados o peso de quase todos os pecados capitais. Mas o quinto e o sexto tenho certeza absoluta que está enraizado até na minha alma e mesmo confessando acredito que não serei absolvido. Até porque o ato sozinho, solitário, desprovido da vontade verdadeira de livrar-se do mal não redime ninguém, sou consciente que não conseguirei me livrar da inveja e da preguiça descomunal impregnada minha aura.

A Inveja: o quinto pecado capital. Morro de inveja destas pessoas maravilhosas que acordam 5h, ainda com os olhos remelentos, sorriso de orelha a orelha, botam um calção ou uma calça legue, uma camiseta, calçam um tênis abrem a janela e disparam: bom dia sol, bom dia vizinho e saem felizes para caminhar.

A Preguiça: o sexto pecado capital. Acredito que este é o vetor do quinto. Pois, acordo muitas vezes as 5h da manhã, para ler, estudar, desenhar, ouvir música, ver Fórmula 1, ouvir Socorro conversar com suas plantas, mas quando alguém insinua minha companhia a uma caminhada além no meu oitão, fico mufina, me abate um cansaço, as pernas ficam bambas, tremo da cabeça aos pés e, me aconchego sob o manto da preguiça que acolhe-me sem cobrança, sem reprovação, onde me sinto seguro e confortável.

Acordar cedo para caminhar é uma chatice. Essas pessoas que fazem isso com tanto afinco, também devem ser muito chatas, mal amadas ou será minha inveja e preguiça se manifestando? Sei não! Só sei que a partir de agora, – por ordens médicas -, terei que fazer companhia a estes seres, pior, vou ter que aguentar os sorrisos e suas disposições destes adeptos do guru, também chato Kenneth H. Cooper.

 

“Vamos correr, vamos suar, vamos malhar…”

 

0

Caçando Pokémon

pokemon-rodrigo-janot

Pokémon Go

         O jogo de realidade aumentada, nova onda da moda do entretenimento cibernético se espalha mundo afora. Diabo é se os políticos aderirem à moda na busca de votos.

Besteira besta.

         Estão fazendo uma tempestade em copo d’água porque o prefeito Silveira Júnior demitiu Glenda Gadelha, da direção da Escola Paulo Cavalcante de Moura, no Sumaré, Bairro de Mossoró. Ora, o cargo é indicação política e é do prefeito a prerrogativa de nomear e exonerar. Ah! Mas, senhora Glenda é mãe da candidata a vice-prefeita na chapa de Rosalba Ciarlini, adversária do inquilino do Palácio. Justificado duas vezes.
Quando estes cargos deixarem de ser ocupados – o quê uma vergonha que isto ainda aconteça em Mossoró, cidade conhecida por sua lutas libertárias, no entanto, os diretores de escolas públicas continuam encabrestados por políticos- por apadrinhamento, talvez acabe com essas besteira bestas.

Campanha

         Rompe no horizonte de Mossoró, sinais de uma campanha do vale-tudo, desde dedo no olho a chutes nos “países baixos”.

Baixaria

         Por falar em baixaria, a seleção olímpica de futebol masculina é a própria. Não sei se fico alegre vendo Galvão espumando pela boca com raiva do Neymar Jr. ou rio com Ronaldo Cavalão (como dizia Canindé Queiroz) querendo comer o carpete do estúdio, pensando que é grama. Viva Martha.

ABS

       O prefeito Carlos Eduardo quando abre a boca desagrada a gregos e troianos. O prefeito de Natal não tem ABS entre o cérebro e a língua.

Caixa dois

         O Procurador Geral da República, Rodrigo Janot, costuma dizer que o “Pau que bate em Chico também bate em Francisco”. Será? Ele terá oportunidade de confirmar através da delação de Marcelo Odebrecht onde afirma que doou R$ 23 milhões à sua contabilidade clandestina – Caixa dois-, inclusive realizando depósitos no exterior para José Serra.

           Marcelo disse que em jantar organizado pelo atual Ministro Eliseu Padilha, no Palácio do Jaburu, no ano de 2014, quando Temer ainda ocupava a vice-presidência, teria atendido a um pedido do próprio Michel de R$ 10 milhões para o PMDB, em dinheiro vivo.

 

0

Triste é o sorriso dos ignorantes!

vampiro-temer

Hoje, temos que apelar sim, denunciar, gritar como muitos fizeram e outros que deram suas vidas na época da Ditadura Militar, nos tempos de chumbo, para que atualmente – aliás, até outro dia atrás – , pudéssemos nos expressar livremente, sem medo, sem a polícia nos dizendo o quê pode ser dito ou não.

Jocosamente alguns idiotas e analfabetos políticos tratam o momento delicado em que vive o Brasil, fazendo piadas talvez por pura ignorância ou masoquismo e, como cegos ou acometidos de microcefalia não conseguem entender o quê está acontecendo no país. Pobres diabos, não sabem eles, se assim continuar serão calados e seus sorrisos amarelos sairão dos seus rostos, sua servidão, seu modo de bajular, seu jeito de lamber botas, sua capacidade de comer migalhas (sem reclamar) caídas dos banquetes de seus senhores, sua visão turva não terá mais serventia, pois o objetivo já está alcançado, e, portanto, descartáveis eram, descartáveis são e descartáveis serão.

Cada vez fica mais nítido o propósito do impeachment – e não me venham falar de crime de responsabilidade-: parar a Lava-Jato, pois se não o fizerem muitos políticos, que até então, se julgavam intocáveis irão mofar na cadeia. Estamos sim, no início de um novo Brasil, não podemos ficar anestesiados, iludidos com os eventos midiáticos que se descortinam em nossa frente, precisamos sair da superficialidade dos fatos. A Justiça precisa ser cega, mais não deve perde a audição, olfato e tão pouco o tato, pois o mau cheiro que exala das delações se sente do Oiapoque ao Chuí. Vamos Moro, coragem ou vai amarelar ante o PMDB, DEM ou o tucanato?

Esperneio sim, apelo sim, grito sim, escrevo sim, quero a liberdade de volta! Quero o povo protestando contra o aumento da passagem de ônibus, quero o povo se manifestando contra a roubalheira endêmica nos partidos políticos, quero o povo gritando Fora Temer, Dilma, Lula, Aécio e quem mais ele quiser gritar a plenos pulmões, pois o PODER emana dele. Quero vê-lo exigir mais saúde, quero ver o povo nas ruas, nos estádios, em locais públicos em atos civilidade enxotando políticos ladrões, quero ver o povo dizer SIM ao Brasil com “S” e não com “Z”.

Quero a liberdade de expressão de volta, quero a DEMOCRACIA que tanto custou à nação. Quero o Brasil de volta! FORA temer!

 

0

Abertura da Olimpíada do Rio

 

michel-temer

Hoje têm vaias, ou não. No Maracanã, Rio de Janeiro será realizada abertura da Olimpíada do Rio de Janeiro, com as presenças de várias autoridades internacionais e Chefes de Estados, dentre elas o presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, que irá cumprir vasta agenda em solo brasileiro, mas nenhuma delas consta encontro com o interino michel temer. O patrício vai ignorar por completo o morador do Palácio do Jaburu.

Escalpo

O Jogo político municipal, na taba do potiguares, está posto e já mostra uma tendência, que de certa forma era esperada: escalpelar o atual prefeito, Carlos Eduardo a todo custo. O deputado federal Rogério Marinho, na convenção do PSDB alisou o lombo de Carlos com um bom porrete de jucá fazendo críticas ao comportamento do prefeito em relação a segurança pública afirmando ser também de responsabilidade do município e, não só dos governos estadual e federal, que o inquilino do Palácio Felipe Camarão não devia cantar loas se esquivando de sua responsabilidade.

Baixo clero

No país de Mossoró, as forças dominantes (leia-se Rosado) da política local azeitam à máquina para ocupar e marcar espaço na Câmara Municipal Mossoró, até então negligenciado ou pelos menos era deixado para a turma do baixo clero, aos iniciantes dos três grupo da tradicional família. Porém, por um erro de cálculo ou desdém nas eleições passadas, suas principais lideranças amargaram derrota inimaginável, para não ficarem sem mandatos, marcarem posição e impedir novas surpresas dona Sandra Rosado e Betinho Rosado –ambos eram deputados federais-, serão candidatos a vereador.

 

Lava-Jato

A Operação já faz sua primeira baixa nas terras potiguares. O ex-Ministro Henrique Eduardo Alves não compareceu à convenção de Carlos Eduardo, pois precisava estar com sua família, por ocasião do nascimento de seu neto. Entretanto, comentaristas, cientistas políticos e narradores de rinhas de galos, afirmam de pés juntinhos que este comportamento do ex-Ministro, de discreta hibernação, será frequente na campanha. Henrique se mantém na expectativa dos desdobramento da Lava-Jato.

Sebo

Quem caprichou no sebo nas canelas foi o Roberto Lopes(PV), candidato a um assento na Câmara de Vereadores de Natal. Dizem que o “caba” está solto na buraqueira.

Frase

“Nossa cidade está sob ataque do crime organizado e a segurança pública não é responsabilidade apenas de governo federal ou estadual, também é da Prefeitura”, Dep. Rogério Marinho